Monday, January 31, 2011

brincando de fazer um quê com as palavras





Em quarto este – de dormir? Daqui de onde eu vou juntando um som com um quê muito gostoso de fazer – com as palavras. Uma ideia e depois outra e depois outra mais. Que vão elas, todas elas se misturando e rodopiando sons pra então sucintamente palavra, pedindo muito pra ser balbuciada com suficiência de sentidos mesmo que não. Pois-que palavras – refeitas no significado-agora que vou dando pra elas... Uma palavra. Em comprimido, assim mesmo. Mas que, saindo da condição esta, de dicionário, condiz é com sem-fim de outras – rotas. E é porque se multiplica, a tal palavra-rota, pondo na gente algum... humm... sentido.
O calculando dimensidades outras dessa palavra-caminhos-outros, eu proponho fazer ele pra segredar pra um alguém-quem. Em português hoje mesmo porque o texto tem um quê de palavrear com esse quem. Lições de língua nossa pra alguém que fala em linguagem outra. Mas antes um dito só dito, pois-que, mesmo ensinando, ele só suaviza opiniães minhas sobre ela – a tal palavra. Que é...? Senão, vejamos!
Maviosidade não combina com calmaria. Porque, no avesso disso, diz muito mais da experiência de a gente querer encontro com uma leveza que é ímpeto, ainda que pra poder dizer no vagar de um palavreado precisando de justeza-sentido. Então, o mavioso do dito não é por conta de expressão calma dele, mas porque antes disso desconjunta, impetuosa, uma vontade de ir buscar lá na pressa de um sentido-experiência pra dizer. Aí, sim, passada a experiência, a gente diz no calmo da leveza buscada nesta experiência que, refeita, palavreia o sentido-suavidade, vento-ventando desdobramentos. Digo então, redizendo, que esse alguém-quem que me escuta hoje a lição tem maviosidade no trato com a gente...
But how to say it again, without missing the essence of this amazing whirl towards language expression? First, this exercise claims to be followed by a sound reverberating dissonant images, but expressive on leading to metalanguage—a language beyond itself. Arnaldo Antunes' Quarto de dormir, Bedroom, for now the place from where I just sense, may be useful to let you understand the vertex and the germ of this work with language. And so this is once again for you, my voiceless word.
Portuguese has its complex interspaces. Which means you can play with the words by picking them up, taking them out of their dictionary condition, re-embossing their shape, adding up or obliterating this or that, and unbuilding their sense. In a word? You free up the words from their in-servitude condition when you do that. As if you sense them, even skin them, and then, by carving out their essence, you also free yourself from thinking of them under the so-called "dictionary condition". One-sided answers or meanings? Leave them all behind! The words carry so many bifurcations leading us to their inward motives—and motifs! Or just nowhere, so that hap is not a word that fits on this kind of exercise with words…agreed? It's impossible to perceive of them, the words, as if they pervaded such rigor or fixity. Quite the contrary. So indefinitely multiple, with plural routes, they are…Not a spark of that…fixatedness. Not rigidity, but precision…  
Maviosidade and quietness do not match, if you are just wondering…
On the reverse side of serenity, maybe that's exactly where you will find out the deepest sense of this word—maviosidade. (And now I know, Audrey, how this significance parallels, so beautifully, your—mellifluence.)
It feels indeed eerily paradoxical; to say the least, because this word is usually considered to be translated into such tranquility…to do this or that. Well-well, poor visitors of the language(s)… Here you mind: where you think there is no hint, here it comes…a concept…hmm…that of Antithesis—Hegelian dialectics, yes?  
Ha, you know, and far-beyond from what I only possibly dream of knowing, that not only social structures can be analyzed by this method of argument. Of argument…mind you! To free up the words from their stagnant condition—is it really possible? If maviosidade is "synthesized" as tranquility, does it exclude its "antithesis", exactly what helps you to understand its recurrence as a new "thesis"? A cycle. Imagine you… One pointing to another pointing to the same. (Complex swirls around the moon, I would just say nowadays, with eyes wide(r) open.) A method, it is, even in terms of word-lips, and so I’m sure that you’re already enjoying this exercise. Aren't you, at least?
Let me recapitulate: maviosidade should be comprehended from its antithesis. Hegel's dialectical method is worth considering as it truly help us to understand that. There's a path, in sum, for this word (maviosidade) to travel along until we can piece it together with delicacy. They do belong together. But not in one-sided way(s). The key concept revolves around such delicate motion. Correct. But it's only reasonable, and acceptable, if you are open to considering that this delicate motion evolves from impetuosity. From vehemence. From immediacy or urgency to say or do something. In a word: from such impulsive will to reach. (Nowadays, I clearly and so fearlessly can see this: you're the one I've been looking for…and trying so mellifluously to reach out…all these years, just understand that, all these three years, are you listening?)
Maviosidade echoes, then, experience. An intense one. (Tumtum, yumtum.) It’s not only a gesture in which you express gentleness or sweetness. There's a logic behind it. And far beyond that, it expresses the movement you are willing to let yourself into in order to reach this tranquility, or sweetness, on doing or saying something. By…being within.
A large part of this is that you only reach this delicate motion (the maviosidade yumtum, I append) if you desperately yearn for it. The word "desperately" tells you much about the antithesis I'm trying to clarify herein, yes? If you have to do (or say or feel, et al.) something, anything desperately, that means you must not lapse, you have to choose, to ponder, to be patient and figure out…myriad everythings. You have to plunge deeply into how you can make something appears to the others as…being delicate. These are, indeed, a delicate, patient motion toward something—that (beautifugly) smallness I have always found to be the most exquisite one, apropos. But, it also carries its antithesis, remember? Which is the tormented, frantic experience into how you might hunt for, puzzle out, and convert this turmoil inside into a delicate…for you, and for that other (part-of-you), the very other you love. (With droves upon droves of…maviosidade!) 
And so this delicious word, maviosidade, chimes much better in with…intensity… Don't you see?

Friday, January 21, 2011

Miki Turner — the photographer's invitation to a delicate dance

How to draw the line that signifies to what extent photography means to be read as a narrative?
By capturing a minute part of reality, within that fraction of second considered by Henri Cartier-Bresson as a spectral evidence, photographers gather moments. Persons, places, objects, all this as exposed as hidden by degrees into the evanescence of their own personal enigma… It is then necessary — explains in metaphors poet Carlos Drummond de Andrade — that magic lens enrich the human vision, and the truth of each thing, to allow the observer to penetrate deeply into this pure enigma.
Photography — a quick gesture. Single images as if eternalizing single moments. But descending into details of this snapshot, we also encounter tales beyond the frames, a continuum of gestures and movements between the lines coming into existence and going far beyond what is immediately seen through the lens.
By revealing processes and movements (in)visible to the naked eye, photography also allows the observer to see (in)visible slow scenes. It also brings out or discharges time-lapse images, their collapsing hours, days, weeks, years, or such an indefinite period of time kept on or activated by the memory, or others just so remote to be stated as a marked one.
This visual representation of reality(ies) acquires then symbolic resonances. It can work at the level of schematized plots pointing to realms being reconstructed by these (in)visible plots, some unseen layers inside other layers, and in this condition activating too much coherence to provide us a set of structures and many ways of inter-relating them…
Even under the apparent discrepancy between the temporality of the photography (which is instantaneous) and the temporality of the speech (durational), photography and narrative can be, indeed, intimately interwoven.
And so my encounter today is with Miki Turner, this sensitive photographer. Her images always seem to grow deeper on that realm that reveals journeys, such an appealing sequence built into a narrative structure over a period of time which feels like we, the observers, are not only in front of stagnant moments captured by minute magic lens, but we enlarge to the need of penetrating those realities she registers, and communicates.
With a double movement of exploring Miki’s images, ranging from contemplation of all the beauty we see on in to what we converse with into their own deployment scenarios made of imaginary or real plots, they seem to be all provided of some at-first unseen story asking to be told, so that there is an interest in seeking out their voice, interest in carving out their subtle carryings-on — all this combined with the inward anatomy of the gesture(s) they depict.
If I had to define in brief words which impressions Miki’s photos provide me the most, I would certainly bet on a single one made of a single metaphor: her pictures feel like a delicate dance. The observer is invited to it, as if unfolding images inside paths, such as notes inside harmonies. There is a kind of delicate movement. And the act of looking itself — enveloped in its continuity and tuned to the vibrations of sounds deprived of limiting steps-by — denies the fixity and fixatedness of the sound being intonated and conducting the dancers to a delicate, slow motion into its enigmas — those Miki's narrative images…

Thursday, January 20, 2011

Kiki Smith — encounter with the unexpected


For all the obvious reasons — my encounter today is with Kiki Smith. An artist who always makes me be blown away by her works — of art. And in whose realms I often fantasize being captivated in. In the end, Kiki needs no introduction, and I’ll never be the one in the position to better do it.
Reasons and results coming from this fictionism of mine about her? That’s because Kiki Smith’s sculptures and printmaking have this incredible power to make us wonder about: always innovative and unconventional, she is an artist who instills in the observer, or in the appraiser, that rousing — and intriguing — sense of starting over. By expanding the scope of the very act of looking. By re-addressing the human body, so frail and so enduring. By having, once and for all, that inward motif of experience.
In its concepts, formats, techniques, and functions, Kiki’s experimenting art has its own encounter with the unexpected. And so the artist seems to constantly seek out an innovative concept of art, and once again. Which feels like an eternal recurrence — that so enlarged and outspread probability of images and objects coming into existence again, and once again, always in return to mean not the same but one another. So for it, the observer feels as if in front of a broad set of deviations, transformations, variations — something new seems to be taking place within Kiki’s art but it is also the act of looking, redone, hers and ours, which is into change every new single making or appreciation.
The artist’s open-ended — somewhat obsessed — approach at dealing with a diversity of materials relies on her interest in the diverse social roles and functions they have played since their emergence and use as art possible forms. Rubber stamps, tattoos, photocopies, lithography. And it is all about repetition and uniqueness. Recycling and reusing stones and plates, paper fragments, collages — all this blurring the boundaries between drawing and printmaking, sculpture and other innovative forms of art, so peculiar to be made, seen and re-seen, appreciated after all…
I still remember the day, four or five years ago, I firstly contemplated Kiki Smith’s prints. And then, stunned, voiceless, and totally blind, I could just recall those unforgettable Rilke’s words, that “most experiences are unsayable, and they happen in a space that no word has ever entered”.
The world goes round, and here I am, once again. Stunned. Voiceless. As outspoken as I’m supposed to be. But blind, and with no correct tones to express the plurality and grandeur of her art. Kiki Smith — for all the obvious reasons!
  

Tuesday, January 18, 2011

pra uma então e sempre aliteração linda cá

A gente peleja mesmo. Rodeia de cá. Vai caminhando saltitamentos acolá. Esbarra em indefinições miríades. Depois pensa assim: “será que consigo?”
E então novos giros. A linguagem parece miúda pra alcançar altura desejosa de dizer. Diz-não-diz e vai dizendo, torto que seja, mas vai reunindo sentido pra expressar. Semantiquices nossas que talvez sejam ainda escassas. Ou dissonantes já de um dizer que pouco, mas muito convicto – e no sobretudo de um dizer tão-só. Tudo isso intriga a gente: “e como é que digo?”
Dizendo, pois ora. Tão simples quanto desabrochando lindezas e sorrisos. Não é assim mesmo que a gente deve dizer quando pensa e sente que “amo você”?

Monday, January 17, 2011

where do we find ourselves? thinking over Emerson's concept of the experience

“To be yourself in a world that is constantly trying to make you something else is the greatest accomplishment” — said the American poet and essayist Ralph Waldo Emerson, best remembered for his individualism aesthetic and prescient criticism of society.
By reading his series of essays, especially those from 1844, we feel more able to understand in details the deployment of this idea expressed on the quote above: we find ourselves in a series made of stairs in front of which we often seem to ascend. Or, in so contemporary terms, to descend.
That means almost all the time — not to say all the time properly — we oscillate, we move from here to there, ranging from up to down, from dusk till dawn, that we feel compelled to live together over a vast, conflicting question: where do we find ourselves? Encased in images of ourselves that do not correspond to the real? Or, analogously, into dreams delivering us to dream, in a space that no word has ever entered and where there is no end to illusion?
Is what we apprehend — about ourselves and about reality(ies) we live in, or just believe we live in — exactly what exists on in? What we feel, exactly what seems to be taking place within?
“We animate what we can, and we see only what we animate” — explains Emerson in the essay “Experience”. Each single view depends upon the mood to see; every single event or perspective of ourselves belong to the eyes that see them. That is to say, we are captured by ourselves, and feel able to define ourselves, when we experience. Especially when this very act of experiencing can be translated into sharing, which presupposes a double movement of taking part.
How could we figure out what we are if we fall asleep in our chairs? If we do not try out producing and being produced by realities, by fictionisms, or whatever seems to make us give to and receive from? Just apologizing for not taking part in this or that? Being affected with egotism at which point we consider ourselves so unready to be blown away by? Or thinking of our dollars?
Of what use are we, if we are too unavailable to stimulate us to experiment, and hold us up in it? Or if life stagnates from too much lifelessness, without due outlet?
As serious as being too cold to experience anything is, to my knowledge, being so secretly (or offhandedly) dependent on the seasons of the year, on other’s actions and thoughts, on nothing but outward life’s forward motion into which we are just willing to go with the flow without partaking in anything, or just without screaming no — why not?
And so I redo a preliminary question: where do we find ourselves? If not even in front of a mirror, in front a supposed closer image of ourselves, we are not able to find what we are indeed? How to find ourselves then? Into ready-made images the others want us to be indoctrinated in? Is it then an outward manufacturing, this one of that we are supposed to take for ourselves? “Of course — explains Emerson — it needs the whole society, to give this symmetry we all seek”. Because even when we contribute our own part, building or being built by the outside world, even when we feel to lose whatever, we are always of the gaining part.
Just in case we do not realize it, we need to know that the world we converse with, or receive from, or give to, is not the world we think, even if it is a personal conversation, from us to ourselves, and about ourselves. Ordinary actions — like cleaning the house, eating our dinners, discussing this or that with this or that person, have the ability to shape. But shape what? What we are in fact? Or what we can do in fact? The great deal relies on doing. On the experience. We exist to realize. To lose or win. To move back or forward. Not to stagnate. In a word: we exist to transform ourselves into a practical power. And maybe into this reasoning we could find where to find ourselves.     

Sunday, January 16, 2011

saudadear – isso o quê, a gente explica em palavras de todos os dias?

Tentei juntar cá, ontem pra anteontem, uns rascunhos que queria já de há muito ter posto em ata. Venho com ideia fixa, esta minha ziguezagueante, de atar nós alguns de uma travessia. E não sei que arrazoado – se bom ou melindroso demais – vem-me desatinando fazer isso esta semana. Acho que saudadeando é que motivo de ir ter com palavras confabuladas agora como a uma menininha muito danada de custando a gente a acreditar que foi tomando parte em coisas nossas. E se foi é porque foi dando crescendo nos indícios de nobreza em flor da gente. Desabrochando a gente. Ainda que assim mesmo, sem explicação menos ou mais de coerência que sempre as pessoas querem pôr nas coisas da gente. Ê chatura essa quando acontece! – a das amarrações pro fluir gostoso de nós.
Pois que, no exercício semântico de dizer da saudade, vou fazendo ela ressurgir em tela muito dissonante, mas multicolor, de uma imagem que ressoo sempre dela. Vejo generosidade-além nas pessoas que se permitem saudadear. Mas não gosto de definição-dicionário pra isso. Saudadear não combina com lembrar em nostalgia. Nem com pensamento que ausência. Tampouco com algum sussurro sorrateirando coisa ou pessoa qualquer que nos tenha ido e só ficado engavetando lembranças.
Saudadear, pra mim, tem um muito de presenciar. E nisso, um tudo de presente que a gente ganha criançando a imaginação, dando contornos-balanço-bom pra ela, e então recriando vínculos, que saltitam desfazendo amarras, ou atando nós de presença da gente nela, na saudade, e dela na gente. Amarrações proparoxítonas não de lembrar sentada em cadeira olhando pra trás, mas olhando em torno e sentindo. Pressentindo pertencimentos da saudade na gente.   
Quando penso que te em torno, Yasmine, penso até que pena que seja pouco isso de saudadear você. Porque nem se eu quisesse te saudadear assim como de boniteza que acredito sendo tudo que te vejo crescendo em torno, sinto que falta olhar de novo, e vez mais, e no de perene novo pra te ver agora, já crescida em muitas coisas que vou desconhecendo, mas que me presenciam me presenteando você inteira em torno. Em flor elefante-mágico drummondiana foi que um dia eu quis muito andar contigo por tantas ruas que eu imaginei te dariam receptivo olhar pro que de mais bonito te vejo travessia. E pro que de mais encantável te vejo fazendo em torno.
Mas então ficou tortuosa a vereda do explicar a minha saudade-você. Se ressoo que sinto que falta olhar de novo, não é então isso que parece combinar com nostalgia? Nem por um lapso de desvario meu! Ah, pois que enfim eu te saudadeio como? Querendo te imaginar lembrança assim tão-só que mereça retorno eterno sempre? Também não, e nem por um imenso de sentido que eu pretenda no de então vislumbrar pro que sinto muito de você – presente.
O meu tesaudadear combina com teadorar. Com teconfabular. Com tepresenciar. E abre um rasgo imenso naquela mania de saudade-termo-estático. Porque isso é que não é mesmo o meu tesaudadeando. Cansada por dentro mesmo que a gente se veja em muitos acolás e aquis, não há corações partidos pra sempre nem ausências que a gente acredite terem-se feito pra sempre. Não há de haver caminhadas sem rumo. E, nem de perto, portas de salas lacradas pras presenças.
A gente sai mesmo das casas muitas por onde só às vezes deixa passos mansos de presença. Mas o meu sair de casa sua tempo atrás não combina com vontade de ficar de fora dela. Bem mais larga que isso é que vem sendo alguma definição pra isso, se é que a gente tem mesmo que insistir em alguma – explicação pro que não precisa muito. Caso todo ter que sim, na insistência-mundo, te digo já tesaudadeando que a gente sai também sem ter que abrir porta nenhuma. E, sem abrir, não tem fecho. Não tem demora. Não tem motivo pra gente acreditar precisão de saída, tanto menos de retorno. Porque é nisso que fica presença. Então esta, presente. E neste, a saudade.
É como eu digo procê, assim tão já tesaudadeando de novo, que tesaudadeio. Porque a gente só consegue saudadear o de dentro da gente. E você, arlequim encantado que pôs colorido muito em travessia minha, vou tesaudadear sempre.
um desaviso bom: pro caso de cê ter esquecido a chave, te lembro que deixo ela sempre na entrada de casa, em cantinho reservado de janela que dá pra sala de sofás amarelos, aqueles que a gente conhece porque, sentadas muito neles, a gente já palavreou e sesaudedeou um bocado, lembra?

Saturday, January 15, 2011

a primeira roseana – margens que terceiras em rio



Fico às vezes pensoluta se pão ou pães – questão de opiniães. Penso que a gente tem, sim, que ir no daquele esforço de rosear encontro com as opiniães. Porque elas entram em semântica muito nossa e, no de portanto, em sintático-sonoro muito da gente. Faz falta se não. Se a gente não concorda com o distorcer as tais amarras de linguagem nossa. E também as de vida nossa. De tais ou quais entendeduras nossas. Pelo menos pra mim, faz muita falta. Já de há muito que ideia fixa isso.
E hoje tive que reler margens que terceiras, multiplicadas, muito que não vinha ter com elas. Que fosse pra desconjuntar mania que venho cismando excessivo, de ver findado em vereda que sugere tão-logo travessia – um contínuo de permanências porque de encerramento é que não.
E é com margens tais que abro seção esta: roseanas. Pra gente criançar miguilins de ir ter sempre com aquele de palavras pondo ponta-cabeça as ideias da gente, pois que de tão indisponíveis no de comer cotidiano de linguagem nossa, mas solicitando.
Então fui lá ter com o homem mandando fazer canoa só pra ele. Era preciso. Que fui me deixando em correnteza-rio só dele. E nesse traçado também só com o de fluir curso só dele. Entender o quê de mais imenso em desdobrando este gesto-homem? Que a gente se encomenda canoa, como se encomendou caixãozinho cor-de-rosa a Nhinhinha? Por certo que sim. Mas pode ser também que não – tais não são as opiniães?
Penso que a gente se encomenda, sim, correnteza muito nossa de ir querendo, em certa altura da vida, canoa ou caixãozinho pra se lançar fluidez. Quando não, vai no da precisão mesmo. Ou no da fatalidade. Ou talvez no das opiniães de cada um pra dizer que isso ou aquilo.
E então vou cronicando cá uma estorieta. Na fatalidade de um atravessar infinito-rio de uma muito querida minha, vim descobrindo que um suspiro me chegava prolongando expectativas-vida. Não pra ela, que já quase em rio, mas pra mim. Que contradicência! Porque, no ínterim de ir ficando em falta de alguém querido, fui desdobrando ficcionismos com uma pessoa que me incitou a tal contradicência – a de que eu não vinha quedando perplexa em excessivo com a correnteza-outrem, mas desejosa é que eu ficava de vida minha ir-se abrindo mais só pra mim.  
Descomplico. Ou potencializo as complicaduras... É que a tal pessoa que vem-me pondo desatino de querer vida em contexto de morte (não aquela pessoa que está indo correnteza-rio, mas alguém que vem cuidando pra que a tal travessia tenha quê-Nhinhinha de mais encantável possível), sem tomar tino disso, eu acho, então me vem desvairando vontade de vida. Pra mim, vida e, então, vontade de encontro com o de viver a vida. Pra ela, psicanalices minhas, que porque vou transferindo vontade-vida faiscada por ela num desjejum muito desvairado de ir ter com ela, e em toada de apaixonamento por ela... Poder até que não pode ser, nem se em questão de opiniães.   
E então como é que a gente explica isso em linguagem sem rodopio? Sem levar pro chão desdenhando algumas tais dicotomias? Morte. Que quer dizer isso, senão vida? Canoa que a gente vai encomendando aos poucos? Ou caixãozinho cor-de-rosa que a gente manda trazer de longe pra se meter nele em momento arco-íris?
Penso que eu hoje também muito sorôco pros olhos daqueles que no início pensavam apenas seguir em procissão com ele. Mas que, no depois, foram tendo tino pro contagiante canto de mãe dele, de filha dele, sorocando pois que loucura é questão de ideia da gente. Ou das tais opiniães da gente...
P.S.: por certo que não retenho chave das roseanas só pra mim. Mas mesmo de jeito nenhum. Faz assim então: quem quiser rosear de cá, e muito mais roseando que eu mesma, tenho certeza, entra aqui e roseia com a gente... Ô que seria um agrado-além pra nós todos!

Friday, January 14, 2011

nossa, como é que não me ocorreu antes encerrar noite, ou ir madrugada adentro, com texto este seu, Tatiana? Deliciura!

E é mesmo, no de fato. Deliciura. O quê? O texto que acabo de devorar – ih, vou caindo em trocadilho e arremedando tom-tatiana? Jeito outro não há. E digo então pros meus assim tão-só: passem menos por cá, mais por ali, que é onde hoje escolho pra encerrar andança-leitura. E em meio a uma deliciura.
Falando nisso, não dou muita prosa pro que não. Ouvido pouco, paciência miúda a minha, como eu mesma – miúda pro de fazer literatice, só exercício o que venho. Mas fico inteira nos que sim. Vão-me abrindo veredas muitíssimo. E então faço gosto deles e de palavrório deles. Como este de agora. Eis que conto. Mas ela conta muito melhor que eu – isso no “sem dúvida”. Pausa: sabem quando a gente diz coisa tal querendo insinuar que “com certeza”, “certamente”? Ao certo isso que redigo é certíssimo! 
Sem demora. É recomendação minha hoje. Tatiana Carlotti. Digo nada sobre a moça, só que me escapulindo ela toda talento. É que textos dela dizem muito tudo nada disso de... ortodoxo ou chatice excessiva e sem consistência, se é que a gente precisa mesmo insistir indefinidos em casos tais – de talento-além. Passo sempre por canto dela, um encanto de urbanos – atalhos. Mas fazia tempo que não – coisas de danação em sobrejornada sempre da vida da gente. Hoje tive que ir. Questão de. Li muitos, viramundei outros tantos. E encerro noite minha esta indicando aos meus o de então: “Fazer, comer, foder, trepar ou amar?” Eis a deliciura! Mas outras tantas por lá...
Entrem espaço Tatiana, ó que!

Thursday, January 13, 2011

maria que multiplico em flautim sempre, e hoje te (re)tenho de novo com doçura em canto invisível-gostoso de boca minha... tens a chave, nunca me ocorreu lacrar porta-maria, então entra cá...

E foi assim. Mesmo que a gente não tenha hoje, temos nunca, precisão de querer resgate, porque aí fica tudo muito perdido e desditoso... em coisa que nem valer o quanto se saboreia vale – foi o que aprendi balzaquiana e então titubeio frase-coro.
Foi sendo sem limite-tempo pra gente ir-se dando. De começo fizemos isso-aquilo. Tivemos, preliminando, conversa fast-food eu lembro que depois de aula adocicada nos pondo até um pouco de neurastenia. Porque a gente muito à vontade, na querência translúcida, arrebatada, tinha certa irritação por não conseguir ir pra dentro dela, de quem-mulher que nos titilava encantamento muito extravagante, mas consistente, tudo o que a gente queria fazer com ela e pra ela. Começou então, e em época anos-pra-trás, isso que agora-ontem fomos redizendo ser um desmedido nosso, muito nosso. Desmedido que trazia insinuamentos no de encantável. E pra ir criando liga em torno de palavra que fomos descobrindo valer tanto quanto muito pra ser a gente assim, em literatice boa de ir descobrindo as coisas, e falando sobre elas, e lendo o mundo ficcionado ali aberto em flor pra gente.
Princípio metáfora-pura, suspensa no ar. Depois é que vem verbo pouco mais lerdo mesmo, e no de fato. Aí então repimpamos muito algumas beiradas de sabor agridoce. No acolá do aqui, firmamos tudo. Um pouco mais, um pouco menos de tudo quanto punha a gente em desaviso bom de querer aprender as coisas e viver as coisas. Cantávamos e redizíamos versos travessos. Inconstávamos num dia a dia cheio de. E sedento de. Universitamos, mas em tom de vontade de ficar perto e fazer bem. Confissionávamos. A gente e o mundo, o sempre mundo que desconhecemos no tentando descobrir ele. Experimentamos. Ela primeiro, eu em seguindo toada dela. Acho que cabia. Roseando mulheres na cabeça, com jeito de ir dando giro em agrado de reter pra nós, cada-qual, gosto que não o de sempre, mas novidade-sexo que a gente via que cabia. E que precisava.  
Então cabíamos tudo. Era coisa de pertencimento mesmo. A gente acreditava que vinha assim o novelo se desprendendo-lã, num de miúdo embalo, e virando espiral estoriada de nós. Viagem púnhamos em muito. E a gente ia. Cortava viramundos. Deliciava e se deixava sabor. E dançava-chuva. Apertava também mão uma da outra quando sentia que vinha coisa qualquer comprimindo o sonho. De ser só, por que não?, no sem ter com que fazer contrato de nada. Porque a gente não tinha exatidão do que era isso, que aquilo de buraco muito-fechadura encafifando dança nossa em passagem pela vida. Livros e confidências. Desenredos e afinidades. Alice através do espelho nunca esqueço que foi coisa nossa escorregando claustrofobias.
Só que as sílabas se embalam. Pegam rota aos avessos. Numa dessas, imagem de nós que era muito tênue já foi tomando os seus desdobramentos. Um vão que silêncio. Traços vinham subtraídos. Sem foco, a gente ia-se perdendo. Quando pois que foi questão de separar distância e proximidade com que nos entendíamos, então veio muito das coisas que a gente punha gosto em nós abaixo. Abruptamente. Dolorosamente. Trazendo sem-fim de cortes. Crime que se comete sem motivação talvez, ou por despreparo, ou por perversidade. Isso – o que foi? Dificultosa qualquer querência hoje de explicação. Eis que descabida uma-outra travessia desejosa de reparos. Porque não cabia na época querer rearranjo do que nem a gente entendia direito ter sido. Ou entendia?
Peguei o cobertor. Telhado meu firme de coisas outras. E arroz ainda quente, à espera. Tudo muito em cima do fogão. Acabava festa? De sentir eu não deixava. Deixei nunca anos esses todos. Quis porque quis. Mas vinha silêncio. Depois quase que num de súbito. Mas engoli em tonalidade-dissabor conjeturando ter ficado ressentimento algum, e então a falta de coragem pro que de ontem veio em muitos bocados.
Tudo tão absurdo mas tudo bem. Bem mesmo? Pois se... Não falo saudadeando. Coisa essa que deixa a gente muito em desgostosura excessiva. Também não repenso nem peço de mim pra mim reconciliamentos que não cabem tanto. Fluxoconscientizo sem mérito nenhum de literariedades este acarinhando-ela-agora. De mim pra ela. Porque não tem gesto que imponha certeza de nada do que. Foi? A gente precisa mesmo falar pretérito quando quer dizer assim tão-só “vontade de ser ainda”? Pro caso de cê ter esquecido hoje a chave, maria, ou de eu mesma ter guardado ela além-você tempos esses todos, então faz justo: entra cá que fico-te-espero prum rasgo de fazendo telhados contigo. Dizer agora procê o que a gente quer em minudência de ter deixado passar tanto tempo, isso é coisa pra páginas multiplicadas. Talvez nunca escritas. Entra cá, então. Que a gente vai tateando jeito de fazer sem pressa. E quando for sair, nas exigências de ter que voltar olhares de novo pro mundo-fora, lembra que te peço então fazer isso sem abrir porta nenhuma mais.  

Wednesday, January 12, 2011

and when we disregard that the most precious thing on life is nothing but the very act of looking?


I heard once, from a Brazilian philosopher, that we — humans — need to keep on mind some sense of alienation to continue on our paths without getting lunatic.
With it of course I agreed that time, and so with the philosopher. Until today I tend to believe that this is a valid, reasonable thought. If it’s not this way, how could we cope with that so many people are right now starving, suffering from violence, being corrupted by ostentatious men and women who just want to “swallow”, “engorge” them day by day? Alienation, as explained the philosopher, has to be taken in this sense. I understand it, and I reverberate it too. This is at least an interesting plea!
We alienate ourselves from the pain of others — that’s the truth, is it? It could be argued that, otherwise, how could we walk down those streets full of wretched people verging on solitude and scarcity, and not madden? How could we handle a reality in which “we” are being paid for this or that job while millions of people are not, or are just so exploited at which point they lose dignity to go on their miserable lives? And how could "we" face the embarrassing situation that "we" can read a book, watch any artistic movie, run for this or that, experience a wonderful moment by traveling or going to the theater, and so forth, while billions of others don’t even know how to read or what this or that work of art is all about? How, how, and how?  
We couldn’t, "naturally" we couldn't, so we take a "deviation", which equals "alienation" — that's the key reasoning of that philosopher. For him, we couldn’t cope with these images, with this discomfort reality jumping out from gloomy pages of our history, of our everyday connections without being alienated from them all. I tended to disagree a little with him. By reading Kafka, for instance, we understand the motif of his "fantastic fiction", totally different than the concept of "fantastic" we find in (Edgar Allan) Poe's short stories, just to take a familiar example. And what we capture from Kafka's Metamorphosis, for example, from that Gregor Samsa being converted into a horrid insect? Well, the very concept of "fantastic" in Kafka relies on how "natural" men and women convert men and women into horrid insects. So this is not "alienation" but "acting", and "acting naturally" in front of the strangeness, imposing and being enclosed by this strangeness. So even if we look without looking properly, we are aware of. Or much more preponderant: we look to demote or to look down on. But there’s a moment, even if it’s brief or sporadic, we cannot decline to look. Looking to understand. Looking to refuse. And looking to try to fix. That’s my hope for humanity. What’s yours? 



sobre a amizade, e então recanto hoje uma linda aliteração

Lindas aliterações ressoam de popa-vento suave aqui, titilando coisas realmente além-rés-do-chão. Ou muito próximas, apertadas, pondo desvario em nós todos, dizendo do muito que a gente vai desviolhando às vezes pra não cair lunático.
Explicamos, mãos duplas hoje, Melinda-eu. De conhecida, foi ficando muito amada uma-certa aliteração nossa – assim chamamos desde o sempre que não convém precisar porque sem sentido se. Palavreamos muito, tempos-outrora mais próximos. No de contato dia-após, íamos fazendo telhados nossos, ensinando cá, desdobrando aprendeduras acolá. E foi sendo assim. A moça, aliteração por conta de um soar-dito em nome que ecoa mesmo elegantices-som, e lindezas-tom, enfim, a moça – dessas que tudo o mais – foi-se apoderando da gente, de jeito que dá volta em desamor, que desenha em colorido gostoso a vida da gente.
Companheira. Descolada. Amabilidade generosa – a dela. Muito inteligente. Proficiente, no de sensível, pras coisas de ir sabendo tudo-muito de muito tudo. Primeiro quis ser médica. Quis? Pois que não, penso que queriam pra ela. Depois, aquela que vai no das construções-casa por aí – talento em cabedal tinha, ô se! E então isso e outro aquilo – a moça ia podendo, podia mesmo, ser o que. Fosse o que bem entendesse – o que dizíamos pra ela. E entendeu – escolher o que entendesse por bem. Resolutou, dia então, que queria ser no daquele meritório endireitar de coisas em justo. E justo ela, que sempre teve apreciação pelo que se lê, interpreta, refaz e corrige. Fiz gosto, fizemos. E foi o que.
Nunca vi, e Melinda agora faz coro, a linda aliteração como aquela que aprendesse coisa qualquer comigo. De começo até medrava aproximação com ela por conta de ela mesma é que me ensinava as coisas. Não tinha, então, por que gesto professorando com ela. Nunca teve. E de parte minha nunca foi. Dela pois que também não. Amizade é palavra pouca pra dizer, assim, que ela me enche de tudo sempre. Porque a moça tem no de além tudo comigo.
Mas não é que ontem, noite tardando já, a gente tendo machadiado um bocado no de antes, e tendo também pra trás decidido pleonasmos-língua da gente-língua nossa, não é que então ela me pergunta, com quê meio suspeitoso, se isso mesmo? Dizendo digo: se na confiança é que fomos fazendo o nosso telhado? Apois! Resposteio meu, Melinda-nosso, outro não seria: não mesmo! Confiança é palavra também miúda pra dizer qualquer coisa disso. Porque aí a gente teria que emendar, entrelaçando: admiração, certeza, entrega de coraçãozinho da gente, parceria e amor. No mínimo isso. E no excessivo da ressignificação-amizade em tudo isso.
É que, quando a gente vai telhadando gostoso pessoas-gosto da vida da gente, Linda Aliteração, não é que a gente diz sem dizer de certo o tanto que ama? E então eu redigo, redizemos Melinda-eu, e refazendo um-certo dito-Montaigne: se me obrigam a dizer por que te amo, resposta minha única seria esta, que porque eu sou você, sendo você eu. No emendado também gostoso de um outro Epigrammata: pois não nos é desconhecida a deusa que um doce amargor junta aos cuidados do amor.
Amizade vem pra mim então sendo isso. E um bocado mais de tudo contigo... Te dou a chave, dei já de há muito. E você entre cá quando quiser. Entre sem cerimônia. Sem vergonha. Entre e ouça cá algum poema, como diz poemando aquela poeta de sensibilidade muito além...

Tuesday, January 11, 2011

como não? Azeite da Alzira em cantado novo que vejo novo agora e... superb!




Eu já tinha visto, e muitas outras, o azeite-alzira. Revisto. Ouvido de cabeça, com coração esperneando. Sonolenta. Em luz. Tinha já também posto de perna-ar. Cantado. Dançado e chorado. Vivi com ele, aceite-dela. E muito. Sóis-altura só lá. Que não era, nunca foi só. Também sabia que não. Mas hoje vejo este aqui-apresentação outra. Como não chorar-encanto de novo, Alzira? Lindo Azeite seu assim!

porquoi je n’ai pas pensé à ç’avant? Itamar Assumpção: justo você, maldito vírgula

Justo você Berenice
Que não chega nem aos pés da Vera Fischer
Me sai com essa sandice
De que meu som não chega nem no calcanhar de Aquiles
Do som do Sting, ex-The Police

Justo você Berenice
Que não chega nem aos pés da Dóris Giesse
Me sai com essa sandice
De que meu som não chega nem no chulé
Do som daquele esfinge, ex-Mister Prince

Justo você Berenice
Que não chega nem aos pés da poeta Alice
Da Penélope de Ulisses
Da Irmã Dulce, da Marlene Dietrich...

Compositor, genial e genioso, paulista de nascimento e para-além-de-qualquer-canto no fino trato com a palavra e o som, Itamar Assumpção ainda é pouco conhecido dos brasileiros. Afora aqueles do próprio cenário artístico independente, os apreciadores e/ou divulgadores da música produzida no Brasil que não a do “chavão abrindo as grandes portas” e a “estranja” encantada com músicos do cabedal do próprio Itamar, que deixou estupefatos alemães no primeiro então de 1988, ou do também genial Tom Zé, que, mesmo representando o que se fazia de mais autêntico e com qualidade musical no Brasil já na década de 1970 (época de lançamento de Tom Zé e Todos os olhos), precisou ser redescoberto quase vinte anos mais tarde pelo norte-americano David Byrne para então voltar e rebentar no país, afora, enfim, este “grupo seleto”, Itamar Assumpção é ainda, e injustamente, ilustre desconhecido tanto da imensa massa de brasileiros como dos “bastidores” da cultura brasileira aos quais ele mesmo sempre se voltou e representou com inconfundível talento e sensibilidade. 
Músico independente, que não vinha para “passar uma moda” e que se dizia inconciliável “com as dificuldades impostas pelo mercado”, tendo ele mesmo que resolver a sua linguagem e tentando representar “poetas que não cantam”, como Paulo Leminski e Alice Ruiz, Itamar chegava disposto a tocar no avesso das coisas, a cantar em tom de arte que não estivesse alinhada com “o que se ganha materialmente por meio da arte”. Seus shows eram, sempre foram performáticos. Difícil ter havido público que, ali diante do Nego Dito no palco – por vezes pequeno para tamanho talento, travessuras e trocadilhos –, ficasse apático ou alheio ao grito de resistência – cultural, artística e racial – rasgado em forma de verso e ritmo. Tão mais difícil ainda é pensarmos que mesmo hoje, postumamente, a música desse cara nego-dizendo as coisas em ponta mordaz, nunca mordaça, de língua deixe de encantar e encafifar ouvintes Brasil afora.
Mas deixa, claro que. Maioria sequer já ouviu o nome Itamar Assumpção em canto qualquer do país – o que, faço dito, não reduz grandeza-luz dele, das músicas dele, à necessidade de uma plateia de contentes. Tampouco isso parecia incomodar o próprio compositor: “Não interessa se está tocando no rádio, essa é a minha cultura e a minha salvação”. Tomamos a nota, interior dele pra nós.
Na cena cultural brasileira, hoje ainda mais que nas décadas de 1980 e 1990, quando o próprio Itamar reconheceu que “toda a música que estava no mercado era de pseudoartista”, parece, enfim, não caber na cena “majoritária” da cultura nossa (nossa? de quem?) o trabalho refinado de Itamar Assumpção com a palavra e o som. Menos em virtude de uma suposta não-aceitação de um suposto público do que propriamente por conta de um sem-fim de imposições culturais, sempre de cima para baixo.
Desde os capciosos interesses da indústria do entretenimento, que goteja ao consumidor de arte, e quase unanimemente, pseudoartistas e seus produtos descartáveis, à imagem e semelhança do jogo do capital corporativo, até a reprodução desgovernada, que beira à exaustão de um trabalho full-time, de valores (culturais, sociais, de arte e tantos outros) reduzidos aos termos de um grande acúmulo de espetáculos, comprimem-se as diferenças, curiosamente dando-se a impressão de enaltecê-las, anulam-se ideias, aspirações e objetivos, desenvolvem-se novas e cada vez mais potentes formas de servidão social e neutralizam-se críticas ou oposições ao “esquema”.  
É nisso que vamos confabulando residir o desconhecimento dos mais talentosos artistas brasileiros pela maciça população nacional. No caso de Itamar Assumpção, comodamente (ou não) aceitando o rótulo de “bewildered herd” (nos termos de Noam Chomsky), a maioria, quando muito, cantarola “Vou tirar você do dicionário”, “Dor elegante” ou “Código de acesso” – gravadas por Zélia Duncan. Mas com isso – com essa espécie de mezzo anonimato – o próprio Itamar não se importava muito. Confundido vez ou outra com o Nego Gato, o Nego Dito compunha e cantava por aí, acompanhado de seus bartolomeus e ptolomeus. E ainda que em “passos-compassos não só na tonalidade, mas também no jeitão de ser” Luiz Melodia – com quem muitos viram semelhança (mesmo?) –, porque era da sua cultura, dos seus tiros aqui-acolá contra o mundo que mantinha ilustre a vontade de ser artista – bendito! Ou simplesmente artista – e dos raros talentosos e independentes, fina flor que sempre foi da música brasileira!
A fama de maldito, adquirida já nos primeiros anos da Lira Paulistana na década de 1980 – “essa coisa de avant garde”, disse ele mesmo em entrevista a Zélia Duncan –, não é motivo, nunca foi, para que a sua música deixasse de ser apreciada e Itamar, ele mesmo, reconhecido e aplaudido, ainda que por “coro de descontentes”, como a flor sem domestiquismos mercadológicos da cena brasileira independente.
Antes de “apagar um no Paraná”, em dia qualquer entre 1969 e 1973, e rumar à capital paulista em definitivo, onde faria carreira de mais de vinte anos, Itamar Assumpção já roubava palco-olhares em Londrina. Na Boca do Bode (mélange de show coletivo e happening organizado, em 1973, pelo escritor Domingos Pellegrini), foi conhecido e convidado por Arrigo Barnabé para “ensaiarem umas coisas”. E que. No correr da década de 1970, tudo muito difícil ainda, Itamar levando a música como podia (à época também como percursionista de Jorge Mautner), o ainda não Nego Dito de São Paulo fez, em parceria com Paulo Barnabé (do Patife Band), os arranjos e “deu a cara para” “Diversões eletrônicas” e “Infortúnio” – duas composições de Arrigo que mais tarde integrariam o disco Clara Crocodilo.
Em 21 de maio de 1979, a noite-estrondo: a banda Sabor de Veneno (composta por Arrigo e Paulo Barnabé, Itamar Assumpção, Neuza Pinheiro, Bocato, Tetê Espíndola, Suzana Salles e outros sete integrantes) subiu ao palco do Teatro Pixinguinha no Sesc Anchieta – em meio a vaias e aplausos, a plateia ainda dividida – e arrematou, com “Diversões eletrônicas”, o primeiro lugar no I Festival Universitário de Música Popular Brasileira (da TV Cultura). Os prêmios de melhor intérprete (Neuza Pinheiro) e melhor arranjo ficariam também com a banda, pela música “Sabor de Veneno”.
Um ano depois, em 1980, aparecia Itamar Assumpção no cenário paulistano com a sua “Nego Dito”, uma das músicas constantes de seu primeiro álbum, Beleléu, Leléu, Eu, também de 1980. Inscrita no Festival da Vila Madalena, “Nego Dito” levou o segundo lugar. Para Arrigo Barnabé, a carreira do Benedito João dos Santos Silva Beleléu começava ali. E ressoaria além: não tardou para que Itamar se tornasse ícone de uma geração de compositores e intérpretes que vinham pelo Teatro Lira Paulistana, em Pinheiros, ensaiando e acrescentando  nota outra à música brasileira.
A Vanguarda Paulista, como ficou conhecido o grupo que se reunia no Teatro Lira no início dos anos 80, mostrava, então, a que vinha: Itamar Assumpção e sua Banda Isca de Polícia, Arrigo Barnabé, Tetê Espíndola, grupos como Língua de Trapo e Premeditando o Breque e, dentre outros, o Grupo Rumo de Luiz Tatit, Ná Ozetti e Paulo Tatit representaram, ô! se não, marco evolutivo da música nossa pós-década de 1970. Superava-se o já enfadonho Tropicalismo dos enfadonhos Gil e Caetano e produzia-se música de feições outras no Brasil: a originalidade e multiplicidade de estilos; a influência do dodecafonismo e do afonismo; a mudança de perspectiva no tocante às composições, que passariam a contar com sílabas embaladas pela canção popular e a poesia, em larga medida dissonante ou “maldita” (lembremos a “Negra Melodia” de Jards Macalé e Waly Salomão, já de 1977); a impressão de um som que se articulava entre o rock, o reggae e o pop, mas sendo ele mesmo avesso a qualquer etiqueta desta-daquela tendência; o grito que se exprimia após anos de tradição recatada ou excessivamente soante – tudo isso, enfim, vinha rebentando nos palcos novo-cenário da música brasileira.
Música de qualidade, é preciso lembrar. E de compromisso. Que também já vinha sendo produzida mesmo pelo grupo de malditos de São Paulo, cada qual à sua maneira, ao seu estilo peculiar de entoar. Música de qualidade que, para além destes compositores paulistas, ressoava gigante nas composições de outros gigantes: Tom Zé e Walter Franco são inegáveis – e ilustres – exemplos! (que mereceriam, textos outros, e sempre incompletos, por conta da enormidade- talento).
De Itamar Assumpção, enfim, a gente sempre quer dizer muito, ainda que dizendo muito pouco. As suas composições, músicas-sons, somadas à voz inconfundível do Nego Dito, dizem muito mais. E dizem tudo um muito. Depois de Beleléu, vieram discos incomparáveis em refinamento, em boa música, em talento artístico. Ilustres desconhecidos ainda hoje? Muito provavelmente. Ou não: que deem ainda a sua repercussão, tanto mais agora que se relançou em São Paulo, em outubro último, e contando com a presença de muitos ilustres em shows de homenagem ao Nego Dito, a sua Caixa Preta – esta que traz pra gente inéditos os póstumos Pretobrás II e III, quem diria!
Às próprias custas, Sampa Midnight e Intercontinental, os três da década de 1980, abririam caminho para a série, em três volumes, Bicho de sete cabeças, gravada e lançada com as Orquídeas do Brasil entre 1993 e 1994. Dali para 1998, veio-vindo o Pretobrás, disco extenso, dois anos depois da gravação de Pra sempre agora, em homenagem a Ataulfo Alves. Em 2004, parceria com Naná Vasconcelos resultaria no último disco gravado por Itamar: Isso vai dar repercussão. E deu! Poucas, mas bocado de composições, fruto de uma intensa-boa parceria!
É preciso, enfim, pôr em ata a fábula. Muita danação que há por contar e refazer mas que, no de então, fica sendo pra daqui a outros. Que fim deste aconteça pelas palavras do próprio Itamar Assumpção, ora se não: “Prezadíssimos ouvintes / pra chegar até aqui / eu tive que ficar na fila / aguentar tranco na esquina / e por cima a lotação”... lotando a gente de belezura musicada a perder de vista, e ganhando encanto-som. Maldito? Só se vírgula.
  

accept invite, and now I play, I fictionize (English version of "convite aceito, e brinco agora de sonhar flautando")


the words
they jump
they dance
their rhythms
a dream
only this
bringing out
fancy images
but I live
and I dawn
I bite
that I sing
by saying
this silence
a lapse
of a dream

so tasty
so extreme
this is also
a real dream
and now
flying away
just wending
this thing
all of mine
it’s closer
so closer
but seems to leave

a tumble
yet
this dream
feels but lives
and I hold it
carrying itself
on to
a major gift
that’s a peeper
a glimpse
a way
not to disbelieve
it’s from you
all my dream
all my real
is so sweet

no fear
I pick up
this wonder
and this I shield
I embrace
my dream
it’s just mine
so I believe

I’ll receive
this child
jumping, it’s lighting
we’ll have
this great time
and we’ll play with it
we’ll do fine

because you, my enchantment
invited me to dream
And I, so surprised
I accepted
your redeem
and I do not
standardize
that I can
follow this route
somewhat magic
with you
our beautiful
first root

my invitation —
a crazy one? —
is like that
you’d understood?
but then you
yesterday
made it right
in other terms
I got it nice
and now so full
of plans for game
for play, for living
our Sunday meeting
our Sunday time
will be so magic
will be so kind

I accept your invite
it made me happy
and I don’t decline
I don’t refuse
to have with you
with this kid
a sweet shot
circles of mine


and I live now
with honey
up in trees
food for the bees
that I wanna
flowers’ fields
dream of dreaming
with all us
fluting deep

It’s witty
it’s turning
it’s bright
and so naive
I remember the day
its owner, you
made it mine
this dream with me
it’s real
it’s ours
your child will play
lullabies for me
your name
I don’t say
it’s a wonder
inside here

but the dream
oh! my dears
it’s a clap
it’s a sign
that I’ll play a camp
and I will toy
great child parts
this is what I want
it’s making my mind
and so I dream
but so I live
and not by chance
I fictionize