Sunday, August 24, 2014

outonais II

pras curucas... da minha vida




              antes os pontos
              nunca tivessem sido feitos
              pra interferir
              nos outonais das coisas,
              da gente, de tudo
              que apenas tão singelamente
              consegue ser
              mesmo assim... do(í)do
              de encantável, sonhante
              eternizado em poeira
              de texto e esperança
              pois-feitos ambos dessa reticência
              que esplendora aconchego
              pra querer e desvairar

              música Leaf, do grupo Poliphony, álbum de 1973
              foto da tela Bleu II, do tríptico Bleu I, II, III de Miró


Saturday, August 23, 2014

autumnals

         

              raining-here is
              like. . .fading skies

              multiple in their wordless
              tints-&-nuances, as to

              slide over, (in)
              (to) their most
              sacred touch:

              galloping, the memories
              just collapse onto
              all that blurred care to be

              inside mirrors of
              allover-like boxes for living in

              and you, you in the end
              just smile, or will try your most,
              your very best flakes, as if
              still in hope, to keep up with—
              even in the paltry space
              that’s left you—
              the shattered motion:

              lost, you find
              yourself there

              missing the line
              on the creased landscape
              as wearing, you-yourself,
              a packed-out oblivion

              yet, the autumnal textures—
              still a breath, still la-la-la—
              come to remind you
              to extol the alate, unclothed
              fantasies and springs

              humming-&-swaying,
              like. . .with no rue
              no scars, no any
              packed st(r)ain

              (and even when)
              slippery is the edge
              of their solitude—
              the clouds’, their unveiling
              and cloaking, but all-in-all
              just listen, or fictionize:

              there’s a cajá-manga tree
              or here, through the window,
              the very apricot flavor
              holding up the air

              imagination en bloc
              your heart seems to
              burst at the seams,
              close-to. . .after all:

              the warm drops reach
              the grey asphalt

              you se(ns)e
              autumn is still
              there, the more invisible
              in its flames should it appear
              the stranger and warmer
              are your reminiscences
              from the dulcet rays of sunshine

              finally. . .like. . .no one will sob
              for those strange feet-
              &-sprinkles-of-rain—
              immersed in clumsy
              ticks-&-tocks—

              mingled with yowl(ing)s
              of humble despair
              or such lacerating accede,
              silent them, like. . .unseeable
              or profound enough
              as unsayable is also
              the moan of their no-name,
              your no-name, any(every)one’s
              no name. . .but anyways:

              the little cat-lady,
              just another scene
              springing up from the noon—
              like. . .a reverie—
              slides away from
              your guard-down lap
              as to paw the back window—
              again, once again
              here you are, this same window—
              through which, along
              the horizon, lies
              the cajá-manga tree, the lone-her,
              eager for that same
              recondite rain,
              remote and ebullient
              in its autumnal hope

         song Luíza, performed by Duo na Corda
         painting Untitled, 1948-49, by Jackson Pollock

Wednesday, August 20, 2014

outonais


 
música Sunny Day Rain, da Hendrickson Road House
xilogravura a cores Guarás, 1945, de Oswaldo Goeldi


Chuva-aqui, que cai de mansinho, é como se… céus sumindo. Múltipla de matizes-e-nuanças, sem dizer que. Então é assim. Que se escorrega pra dentro. Em querença de manter a sagrada permanência outonal
De janela familiar, folhas ventando e trazendo longe de volta aquele compasso de olhar entrando-nas-coisas. Desmedrando as querenças. Achando-se de vida. Num zás as lembranças naturalmente vão-se espatifar sobre as borras de uma ternura por ser. Candente. E lançando-se. Neste mundo farto de espelhos invernosos. Com suas idiossincrasias, ah... A regrar cabedais. Quadriculando existências, paixões, o devir
Mas você, no fim das contas você precisa rir e investir algumas últimas tentativas de esperar que, mesmo no exíguo chão descaminhante, por comer e por pisar, some-se — às migalhas aqui-ali chapiscadas no ar — um ainda movimento faiscador de luz:
perdendo-se, é aí
que você se encontra
lutando e deixando escapar o fio
condutor em meio à crua paisagem que
amarrota até mesmo o que de si
recusa esquecimento e amargor
Entre fracassos que você residua de tempos em sendo(s), ainda assim as imaginaturas de outono — em meio aos rostos cinza-frientos... ah, elas decerto cantarolando — vêm pra desesquecer em você  o que talvez seja possível ainda des...cobrir. De tessituras primaverais
Também não fica sem custo olhar através da janela e sentir as casinhas de telhados azuis tão em falta de. Tantos. Gracejos. Nem as pessoas que, ali dentro, maltrapilham destinos tão sem. Ainda que em dor, pra lá e pra cá elas, as outonais costuradas nas folhagens coloridas de antes, ressurgem... como se, sem mácula, não quedassem de enternecer ressonâncias, querubins. E é que, embora escorregadias, com receio de passo, elas escapolem das margens de uma tristonhice inevitável diante da chuva. Que cai. De nuvens vestidas ou descalças. Dias-após. Como se... clareando tanto quanto embaçando a vista. Em brilhosas eternidades, que pedem. Que você ainda ouça. Ou imagine só:
tem uma cajamangueira bem-aqui,
através da janela,
ou você apenas pressente
um gosto de leite de amêndoas no ar
Pois o que se vê, o que se vê... Vai muito pelo imaginar se vendo. Como se... longe, e tão perto, permanecessem, relutantes, as fagulhas. De esperança. Que te veem tão só
E você vê. A chuva pulsa. Mesmo caindo. No pálido asfalto da vida que é
E assim você sente. Que o outono não se despede das miragens mantidas pros dias de sol raiando. Porvir incandescente. Tanto mais alheio ou caloroso — ele, o outono não cessa de proteger os compassos contra a friúra lancinante, implacável dos dias. Como se... enfim... ninguém se preocupasse mesmo com os estranhos pés que cimentam a chuva de um inexorável dissabor tique-taque. Pessoas, objetos, distâncias
É que assim seguem misturando-se dias em dias. Aos gritos de desespero, de consenso, silenciosos, violentados... transbordando invisíveis ou profundos demais. Pra atreverem nomes, mãos, olhares, caminhaduras que vêm e vão. E que ficam sendo aflitas e indigestas. Mas e se isso agora desimportasse restando mais vivo o que preserva o outono das coisas? Sua euforia, mesmo a grotesca vontade dos quixotescos desvarios, é o que assim agora é e sonha:
uma gatinha de pura lindeza, aqui em cena por simples epifania de olhar,
escapole do colo e vai logo pôr as patinhas
naquela mesma janela que via o céu de-início
em gotejamento de ontens, tristonhos e sem,
mas que encontra nuvens repousando já sua esperança na cajamangueira,
solitária, esbelta, sutil,
como se... recebesse a chuva  em mais uma de suas outonais miragens:
a de cismar devaneio e então resistir
à friagem, cortante, ruidosa,
pra tão só ainda, tocando-se ali de tais patinhas curiosas,
ser e se ir de sempre olhar