Tuesday, May 19, 2009

a entrada no prédio central I


pés rachados, encardidos
a ladeira, alta; o cimento, ardente
três dias de caminhada
de frente para o portal de entrada inacessível - eis o alvo

nada nas mãos, um objetivo apenas -
peregrinação de desaviso, um revide, talvez -
uma observação principal - a vista de cima, uma entrega, se a entrada...
sem permissão

desemprego, pouca esperança, nada no bolso
necessária a entrada no prédio imponente
de lá, governança, remessa de verbas, assessorias
o não-atendimento ao público - tudo reservado
doze chaves, seguranças à porta, movimentações, transações
decisão para um sem-fim de gentes - a vida em protesto, em protocolos não-lidos
opção pelos mais reluzentes, saídas aos mais otimistas

ali, a decisão ferrenha:
educação - três contos de irrealidade
saúde - dez mil ficções
bolsa-comida - para os que...
moradia - vazio do centro da cidade, correria para os subúrbios, ou ruas imundas, buracos de fechadura

esporte - as sonhadas olimpíadas, a copa, oitenta milhões multiplicados por cem
(ginásios, campos de futebol, poliesportivos e marketing para os garotinhos-atletas-propaganda)

lazer - para depois, primeiro o essencial, mais transações, negociatas
(um parque do sabiá para os pobres coitados, regozijo na piscina esverdescente)

cultura - o principal: patrocínios das carinhas festivas e marqueteiras, colgates sem sorrisos
(filmes globarbarizados, shows de cerveja e cantoria desmusicada
restauração superfaturada de patrimônios sem proveito
livros publicados que...)
uma roda da fortuna - sem ganhadores concretos


No comments: